Política

Prefeitos baianos são vítimas de golpe no WhatsApp; suspeitos pediam dinheiro

Os suspeitos solicitavam que as vítimas enviassem a confirmação da transferência dos pedidos que chegaram a R$2 mil

Os prefeitos de Ibirapuã, Alcobaça e Prado denunciaram à Polícia Civil que foram vítimas de um golpe de clonagem do aplicativo WhatsApp.

De acordo com o G1, criminosos clonaram o aplicativo, trocaram mensagens e pediram dinheiro a contatos dos prefeitos Calixto Antônio Ribeiro, de Ibirapuã, Léo Brito, de Alcobaça e de Mayara Brito, de Prado. Pelo menos quatro amigos de Calixto chegaram a cair no golpe e realizaram o depósito, um deles depositou R$700.

"Quando cheguei na prefeitura fui para uma reunião e pedi a meu irmão para ver meu Whatsapp e ele disse: 'Seu WhatsApp não entra'. Fui ver o sinal do telefone e não estava funcionando. Depois recebi uma ligação e a pessoa falou: 'O senhor recebeu o depósito que eu fiz para a senhora, que o senhor mandou?'. Daí eu disse: 'Eu não pedi para fazer depósito", contou o prefeito de Ibirapuã.

Os suspeitos solicitavam que as vítimas enviassem a confirmação da transferência dos pedidos que chegaram a R$2 mil.

A mesma coisa ocorreu com Léo Brito e Mayara Brito, que prestaram queixa e alertaram nas redes sociais que não fizeram pedidos de dinheiro por WhatsApp. Os números das contas enviadas eram do Banco do Brasil, mas eram de titulares diferentes.

A Polícia Civil informou os dados são pistas para identificação do grupo que está realizando o golpe. "Estamos tentando identificar quem são os donos dessas contas para onde foram feitos os depósitos, e aí começaremos a rastrear até chegarmos aos autores dos crimes", disse a delegada Valéria Chaves.

Comentários

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Irecê Repórter, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.