Irecê |

Prefeito de Irecê vai a Brasília pedir retorno urgente de atendimento no Banco do Brasil, atacada com explosivos

Em encontro com o presidente da instituição bancária, Elmo Vaz disse que é urgente a reabertura da agência
Prefeito de Irecê vai a Brasília pedir retorno urgente de atendimento no Banco do Brasil, atacada com explosivos

O prefeito de Irecê, Elmo Vaz, se reuniu com o presidente do Banco do Brasil, Paulo Rogério Caffarelli, em Brasília, para pedir urgência no retorno das atividades na agência da cidade, atacada por uma quadrilha no último final de semana.

 

No encontro, o prefeito justificou a urgência do pedido. “"Somos uma das regiões mais importantes do interior do estado, com um território com mais de 20 municípios e cerca de 900 mil habitantes. Nossos segmentos comercial e de prestação de serviços são fortes, bem como a produção da agropecuária e diversas outras culturas e não podemos ficar muito tempo sem a atividade plena desta agência", explicou Elmo Vaz.

 

ESFORÇO

 

Rodrigo Nogueira destacou o esforço da instituição financeira para garantir o funcionamento da agência. “Estamos trabalhando para colocar o quanto antes a agência em funcionamento, minimizando os danos para a população. A situação é crítica, somente na Bahia já são 47 agências fechadas por conta de arrombamentos”, destacou o gerente.

 

A senadora Lidice da Mata se comprometeu acompanhar de perto as providências, além de gerir a situação junto a Superintendência do BB na Bahia e ao Governo do Estado.

 

Durante a reunião ficou agendada uma reunião em Salvador com o Superintendente Estadual Carlos Motta, que estará em Irecê na sexta-feira próxima, para acompanhar de perto as providências. 

Comentários

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Irecê Repórter, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.