Em Mulungu do Morro, justiça determina retorno de servidora ao cargo, após perseguição política do prefeito Edimario Boaventura  

Prefeito cumpriu a Ordem Judicial e devolveu o direito lega da servidora de retornar ao seu posto de trabalho
Em Mulungu do Morro, justiça determina retorno de servidora ao cargo, após perseguição política do prefeito Edimario Boaventura  

O prefeito de Mulungu do Morro, Edimario Boaventura, já no seu primeiro semestre de governo, foi acionado no Poder Judiciário por diversos servidores públicos indignados com sua conduta considerada arbitrária com quem não acompanha seu grupo político ou tem divergência partidária.

Em pesquisa aos sistemas oficiais da justiça, o Irecê Repórter encontrou um pedido de uma servidora que foi removida de seu trabalho pelo prefeito, através do ofício número 079/2021. Ela entrou com mandado de segurança e a desembargadora Dra Maria de Lourdes Pinho Medauar, concedeu a liminar favorável, determinando seu retorno ao posto de trabalho de origem, no PSF do distrito de  Várzea do Cerco.

Na decisão da desembargadora, foi reconhecida a perseguição política e ausência de justificativa para remoção da servidora pública municipal do local de trabalho que exercia há mais de 10 anos, e suspendeu os efeitos da portaria número 052/2021 que removia a servidora.

CUMPRIMENTO

Após a decisão, o prefeito Edimario Boaventura cumpriu a ordem judicial, revogando a remoção da servidora pública. Ele realizou uma nova portaria de número 102/2021, colocando à disposição o PSF do distrito de várzea do Cerco para a profissional voltar ao seu trabalho. Ainda foi interposto recurso ao processo número 8011431-45.2021.8.05.0000, porém, a servidora já conquistou o seu direito através da liminar para retornar ao seu local de origem.

 

 

Comentários

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Irecê Repórter, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.