Brasil e Mundo

Defesa de jovem preso consegue o direito de ouvir a transexual Bárbara Trindade

Defesa de outro acusado de envolvimento no crime, preso desde abril, conseguiu o direito de ouvir o depoimento de Bárbara

O policial militar Paulo Roberto Ferreira Machado foi preso novamente de forma preventiva no Batalhão de Choque, em Lauro de Freitas. Ele é suspeito de envolvimento no atentado contra a transexual Bárbara Trindade, a Babi, vítima de tentativa de homicídio em Presidente Dutra. Outro suspeito, Domingos Mendes, 20 anos, também está preso desde abril deste ano, mas a família nega que ele seja o responsável pelo crime.

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) concedeu à defesa de Domgins o direito de ouvir a transexual Bárbara Trindade, a Babi. Na alegação, os advogados Alex Vinícius Nunes Novaes Machado e Eric Nunes Novaes Machado ressaltaram que o rapz foi preso com base em depoimentos contraditórios da vítima.

    "Conseguimos um Hapeas Corpus no TJ-BA anulando parte do processo e reabrindo a instrução. Durante o inquérito, ela sempre deixou claro que não conhece Domingos, mas alguns familiares (de Babi) persistem em dizer que eles se conheciam, e que essa informação foi repassada por Bárbara. Só que ela nunca afirmou isso às autoridades. Precisamos saber quando ela fala a verdade, se para as autoridades ou para a família", declarou o advogado Alex Vinícius, em conversa com o BNews, frisando que a vítima falou com o Ministério Público e a polícia por mais de quatro vezes durante o inquérito. O depoimento ainda não tem data marcada.

Segundo a defesa, o pedido já havia sido negado pelo juiz Ruy José Amaral Adães Júnior, de Irecê.

 

O CASO - A transexual Bárbara Trindade, 22, ficou tetraplégica após sofrer dois disparos de pistola 380. Ela teria sido atraída para o local do crime através de uma conversa via WhatsApp, supostamente enviada por Domingos. A família do frentista nega a versão e credita o surgimento do nome do jovem no caso a um perfil falso criado por Paulo Roberto, que teria planejado a morte de Babi por conta de uma foto divulgada na cidade em que os dois apareciam abraçados.  

Comentários

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Irecê Repórter, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.